Categories
Compostagem

Howard resume a formação de húmus

Trecho do livro “The waste products of agriculture“, de 1931 (“Os resíduos da agricultura”):

Os vários passos na formação da matéria orgânica do solo são mais ou menos os seguintes. Quando os restos frescos de plantas ou animais são adicionados ao solo, uma parte desta matéria orgânica é imediatamente atacada por um grande número de microrganismos presentes. Segue-se uma decomposição rápida e intensa. A natureza destes organismos depende das condições do solo (composição mecânica e química e estado físico) e do ambiente do solo (teor de umidade, reação e arejamento, e presença de minerais disponíveis). A melhor maneira de acompanhar os processos de decomposição é medir um dos produtos finais da reação – o dióxido de carbono. A taxa de evolução deste gás depende da natureza da matéria orgânica, dos organismos que participam no processo e das condições ambientais do solo.

Logo que os constituintes facilmente decomponíveis dos restos vegetais e animais (açúcares, amidos, pectinas, celuloses, proteínas, aminoácidos) desaparecem, a velocidade de decomposição diminui e tende a estabelecer-se uma condição de equilíbrio. Nesta fase, restam apenas os constituintes da matéria orgânica de origem, como as ligninas, que sofrem uma ação lenta. Estas e as substâncias sintetizadas pelos microrganismos formam o húmus do solo e sofrem apenas uma transformação lenta durante a qual é liberado um fluxo moderado mas constante de dióxido de carbono. Ao mesmo tempo, o nitrogênio desse húmus do solo é igualmente convertido em amônia que, em condições favoráveis, é transformada em nitrato.

Portanto, fica claro que a matéria orgânica ou o húmus do solo é um produto manufaturado e que sua composição não é a mesma em todos os lugares, mas varia de acordo com as condições do solo em que é produzido. Como todos os artigos manufaturados, ele deve ser fabricado adequadamente para ser realmente eficaz. Portanto, atenção nunca é demais na sua preparação.

Albert Howard, “The waste products of agriculture” (1931)