Categories
Artigos

Tradução: “Lítio, cobalto e terras raras: a corrida pelos recursos pós-petróleo”


Esse artigo foi escrito por Michael T. Klare em 25 de maio de 2021. Os grifos em itálico são nossos.


Graças ao seu próprio nome – energia renovável – podemos imaginar um futuro não muito distante em que nossa necessidade de combustíveis não renováveis, como petróleo, gás natural e carvão, desaparecerá. De fato, o governo Biden anunciou que estabeleceu a meta de eliminar completamente a dependência dos Estados Unidos desses combustíveis não renováveis para a geração de eletricidade até 2035. Isso seria alcançado com a “implantação de recursos de geração de eletricidade sem carbono”, principalmente a energia perpétua do vento e do sol.

Com outros países seguindo na mesma direção, é tentador concluir que os dias em que a competição por recursos energéticos limitados – uma fonte recorrente de conflitos – logo acabará. Infelizmente, pense novamente: embora o sol e o vento sejam de fato infinitamente renováveis, os materiais necessários para converter esses recursos em eletricidade – minerais como cobalto, cobre, lítio, níquel e elementos de terras raras, ou REEs – não são nada disso. Alguns deles, de fato, são muito mais raros do que o petróleo, o que sugere que os conflitos globais por recursos vitais podem não desaparecer na era da energia renovável.

Para entender esse paradoxo inesperado, é necessário examinar como as energias eólica e solar são convertidas em formas utilizáveis de eletricidade e propulsão. A energia solar é, em grande parte, coletada por células fotovoltaicas [painéis solares fotovoltaicos], geralmente instaladas em grande número [usinas de energia solar], enquanto a energia eólica é coletada por turbinas gigantes, geralmente instaladas em grandes parques eólicos. Para usar a eletricidade no transporte, os carros e caminhões devem ser equipados com baterias avançadas capazes de manter a carga por longas distâncias. Cada um desses dispositivos usa quantidades consideráveis de cobre para transmitir eletricidade, bem como uma variedade de outros minerais não renováveis. As turbinas eólicas, por exemplo, exigem manganês, molibdênio, níquel, zinco e terras raras para seus geradores elétricos, enquanto os veículos elétricos exigem cobalto, grafite, lítio, manganês e terras raras para seus motores e baterias.

Atualmente, com a energia eólica e solar respondendo por apenas cerca de 7% da geração global de eletricidade e os veículos elétricos representando menos de 1% dos carros em circulação, a produção desses minerais é praticamente suficiente para atender à demanda global. No entanto, se os EUA e outros países realmente avançarem em direção a um futuro de energia verde (?!), conforme previsto pelo presidente Joe Biden (dos EUA), a demanda por esses minerais disparará e a produção global ficará muito aquém das necessidades projetadas.

De acordo com um estudo recente da Agência Internacional de Energia (AIE), intitulado “The Role of Critical Minerals in Clean Energy Transitions” (O papel dos minerais críticos nas transições para energia limpa), a demanda por lítio em 2040 poderá ser 50 vezes maior do que a atual, e a de cobalto e grafite, 30 vezes maior, se o mundo se apressar em substituir os veículos movidos a petróleo por veículos elétricos. É claro que esse aumento na demanda estimulará o setor a desenvolver novas fontes de suprimento para esses minerais, mas as fontes potenciais são limitadas e serão caras e complicadas de serem colocadas em operação. Em outras palavras, o mundo poderá enfrentar uma escassez significativa de materiais essenciais. (“À medida que a transição global para a energia limpa se acelera”, observa o relatório da AIE, “e painéis solares, turbinas eólicas e carros elétricos são implantados em uma escala cada vez maior, esses mercados em rápido crescimento para os principais minerais podem estar sujeitos à volatilidade dos preços, à influência geopolítica e até mesmo a interrupções no fornecimento”).

E aqui está outra complicação: para vários dos materiais mais importantes, incluindo lítio, cobalto e elementos de terras raras, a produção é altamente concentrada em apenas alguns países, uma realidade que poderia levar ao tipo de luta geopolítica que acompanhou a dependência mundial de algumas das principais fontes de petróleo. De acordo com a AIE, um único país, a República Democrática do Congo (RDC), fornece atualmente mais de 80% do cobalto do mundo e outro, a China, 70% dos elementos de terras raras. Da mesma forma, a produção de lítio ocorre principalmente em dois países, Argentina e Chile, que juntos respondem por quase 80% do suprimento mundial, enquanto quatro países – Argentina, Chile, RDC e Peru – fornecem a maior parte do nosso cobre. Em outras palavras, essas reservas futuras estão muito mais concentradas em um número muito menor de países do que o petróleo e o gás natural, o que leva os analistas da AIE a se preocuparem com as futuras lutas pelo acesso em todo o mundo.

Do petróleo ao lítio: as implicações geopolíticas da revolução dos carros elétricos

O papel do petróleo na formação da geopolítica global é bem conhecido. Desde que o petróleo se tornou essencial para o transporte global – e, portanto, para o bom funcionamento da economia mundial – ele tem sido considerado, por razões óbvias, um recurso “estratégico”. Como as maiores concentrações de petróleo estão localizadas no Oriente Médio, uma região historicamente distante dos principais centros de atividade industrial da Europa e da América do Norte e regularmente sujeita a convulsões políticas, as principais nações importadoras há muito tempo procuram exercer algum controle sobre a produção e a exportação de petróleo dessa região. É claro que isso levou a um nível mais alto de imperialismo de recursos. Isso começou após a Primeira Guerra Mundial, quando a Grã-Bretanha e as outras potências europeias lutaram pelo controle colonial das áreas produtoras de petróleo da região do Golfo Pérsico. Essa luta continuou após a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos entraram na competição em grande escala.

Para os EUA, garantir o acesso ao petróleo do Oriente Médio tornou-se uma prioridade estratégica após os “choques do petróleo” de 1973 e 1979 – o primeiro causado por um embargo de petróleo árabe em retaliação ao apoio de Washington a Israel na guerra de outubro daquele ano; o segundo, por uma interrupção do fornecimento causada pela revolução islâmica no Irã. Em resposta às longas filas nos postos de gasolina dos EUA e às recessões subsequentes, sucessivos presidentes se comprometeram a proteger as importações de petróleo por “todos os meios necessários”, incluindo o uso de força armada. Essa é a mesma posição que levou o presidente George H. W. Bush [1989-1993] a travar a primeira Guerra do Golfo contra o Iraque de Saddam Hussein em 1991 e seu filho [George W. Bush, 2001-2009] a invadir o mesmo país em 2003.

Em 2021, os EUA não serão mais tão dependentes do petróleo do Oriente Médio, dada a extensão da exploração do xisto doméstico e de outras rochas sedimentares impregnadas de petróleo pela tecnologia de fracking. No entanto, a ligação entre o uso do petróleo e os conflitos geopolíticos quase não desapareceu. A maioria dos analistas acredita que o petróleo continuará a fornecer uma parcela significativa da energia mundial nas próximas décadas, o que inevitavelmente levará a lutas políticas e militares pelas reservas restantes. Por exemplo, já surgiram conflitos sobre as reservas offshore disputadas nos mares do Sul e do Leste da China. Alguns analistas preveem uma luta pelo controle de depósitos inexplorados de petróleo e minerais também na região do Ártico.

Então, aqui vai a pergunta do dia: a explosão na aquisição de carros elétricos mudará tudo isso? A participação do mercado de carros elétricos já está crescendo rapidamente e espera-se que chegue a 15% das vendas globais até 2030. Os principais fabricantes de automóveis estão investindo pesadamente nesses veículos, prevendo um aumento acentuado na demanda. Havia cerca de 370 modelos de carros elétricos disponíveis para venda em todo o mundo em 2020 – um aumento de 40% em relação a 2019 – e as principais montadoras revelaram sua intenção de disponibilizar mais 450 modelos até 2022. Além disso, a General Motors anunciou planos para eliminar completamente os veículos convencionais a gasolina e diesel até 2035, enquanto o CEO da Volvo indicou que a empresa venderá apenas carros elétricos até 2030.

É razoável esperar que essa tendência só se acelere, com consequências profundas para o comércio global de recursos. De acordo com a AIE, um carro elétrico típico requer seis vezes mais insumos minerais do que um veículo convencional movido a gasolina. Isso inclui cobre para a fiação elétrica, bem como cobalto, grafite, lítio e níquel necessários para garantir o desempenho, a longevidade e a densidade de energia (a energia produzida por unidade de peso) da bateria. Além disso, os elementos de terras raras serão essenciais para os ímãs permanentes instalados nos motores dos veículos elétricos.

O lítio, o principal componente das baterias de íons de lítio usadas na maioria dos veículos elétricos, é o metal mais leve que se conhece. Embora esteja presente tanto em depósitos de argila quanto em minérios compostos, raramente é encontrado em concentrações facilmente extraídas, embora também possa ser extraído da salmoura em áreas como o Salar de Uyuni, na Bolívia, a maior salina do mundo. Atualmente, cerca de 58% do lítio do mundo vem da Austrália, 20% do Chile, 11% da China, 6% da Argentina e porcentagens menores de outros lugares. Uma empresa americana, a Lithium Americas, está prestes a começar a extrair grandes quantidades de lítio de um depósito de argila no norte de Nevada (EUA), mas está enfrentando resistência dos fazendeiros locais e dos nativos americanos, que temem a contaminação de seu suprimento de água.

O cobalto é outro componente essencial das baterias de íons de lítio. Raramente é encontrado em depósitos únicos e, na maioria das vezes, é obtido como subproduto da mineração de cobre e níquel. Atualmente, ele é quase totalmente produzido por meio da mineração de cobre na caótica e conflituosa República Democrática do Congo (RDC), principalmente no chamado cinturão de cobre da província de Katanga, uma área que já tentou se separar do resto do país e ainda abriga aspirações secessionistas.

Os elementos de terras raras abrangem um grupo de 17 substâncias metálicas que estão espalhadas pela superfície da Terra, mas raramente presentes em concentrações exploráveis. Vários deles são essenciais para as futuras soluções de energia verde, incluindo disprósio, lantânio, neodímio e térbio. Quando usados como ligas com outros minerais, eles ajudam a perpetuar a magnetização de motores elétricos em condições de alta temperatura, um requisito fundamental para veículos elétricos e turbinas eólicas. Atualmente, cerca de 70% dos elementos de terras raras vêm da China, talvez 12% da Austrália e 8% dos EUA.

Uma olhada na localização dessas concentrações sugere que a transição da energia verde prevista pelo presidente Joe Biden (EUA) e outros líderes mundiais pode enfrentar sérios problemas geopolíticos, não muito diferentes daqueles gerados no passado pela dependência do petróleo. Para começar, a nação militarmente mais poderosa do planeta, os Estados Unidos, só pode obter pequenas porcentagens de elementos de terras raras, bem como outros minerais essenciais, como níquel e zinco, necessários para tecnologias verdes avançadas. Embora a Austrália, um aliado próximo, sem dúvida continuará sendo um importante fornecedor de alguns desses minerais, a China, cada vez mais vista como um adversário, é crucial. O Congo, um dos países mais conflituosos do mundo, é o principal produtor de cobalto. Portanto, não imagine por um segundo que a transição para um futuro de energia renovável será fácil ou livre de conflitos.

O próximo choque

Diante da perspectiva de suprimentos insuficientes ou inacessíveis desses materiais essenciais, os estrategistas de energia já estão exigindo grandes esforços para desenvolver novas fontes de suprimento no maior número possível de lugares. “Atualmente, os planos de fornecimento e investimento para muitos minerais essenciais estão muito aquém do que é necessário para apoiar a implantação acelerada de painéis solares, turbinas eólicas e veículos elétricos”, disse Fatih Birol, diretor executivo da Agência Internacional de Energia. “Esses riscos são reais, mas podem ser superados. A resposta dos formuladores de políticas e das empresas determinará se os minerais decisivos continuarão sendo um facilitador importante para as transições de energia limpa ou se tornarão um gargalo no processo.” (Ninguém fala de mexer na demanda de energia, mudar a concentração de poder ou ampliar a liberdade real das mulheres para escolherem procriar ou não.)

Entretanto, como Fatih Birol e seus associados da AIE deixaram bem claro, superar as barreiras para o aumento da produção mineral não será nada fácil. Para começar, o lançamento de novos empreendimentos de mineração pode ser extraordinariamente caro e repleto de riscos. As empresas de mineração podem estar dispostas a investir bilhões de dólares em um país como a Austrália, onde a estrutura legal é acolhedora e elas podem esperar ser protegidas de futuras expropriações ou guerras, mas muitas fontes promissoras de minerais estão em países como a RDC, Mianmar, Peru e Rússia, onde essas condições dificilmente se aplicam. Por exemplo, a atual “agitação” em Mianmar, um grande produtor de certos elementos de terras raras, já levantou preocupações sobre sua disponibilidade futura e fez com que os preços subissem.

O declínio da qualidade dos minerais também é uma preocupação. No que diz respeito aos locais de mineração, este planeta tem sido amplamente escavado – em alguns casos, desde o início da Idade do Bronze – e muitos dos melhores depósitos já foram descobertos e minerados há muito tempo. “Nos últimos anos, a qualidade dos minerais continuou a diminuir em uma série de commodities”, observa a AIE em seu relatório Critical Minerals and Green Technologies. “Por exemplo, o grau médio do minério de cobre no Chile diminuiu 30% nos últimos 15 anos. A extração do conteúdo metálico de minérios de menor grau requer mais energia, o que pressiona os custos de produção, as emissões de gases de efeito estufa e os volumes de resíduos”.

Além disso, a extração de minerais de formações rochosas subterrâneas geralmente envolve o uso de ácidos e outras substâncias tóxicas e, normalmente, requer grandes quantidades de água, que é contaminada após o uso. Esse problema aumentou desde a promulgação da legislação de proteção ambiental e a mobilização das comunidades locais. Em muitas partes do mundo, como em Nevada (EUA), no caso do lítio, novos esforços para extrair e processar o mineral enfrentarão uma crescente oposição local. Quando, por exemplo, a empresa australiana Lynas Corporation tentou burlar as leis ambientais australianas enviando minérios de sua mina de terras raras de Mount Weld para a Malásia para processamento, os ativistas locais montaram uma longa campanha para impedi-la.

Para Washington, talvez nenhuma questão seja mais intratável quando se trata da disponibilidade de materiais essenciais para uma “revolução verde” do que a deterioração do relacionamento do país com Pequim. Afinal de contas, a China fornece atualmente 70% das terras raras do mundo e possui grandes depósitos de outros minerais essenciais. Além disso, a China é responsável pelo refino e processamento de muitos materiais importantes extraídos em outros lugares. De fato, quando se trata de processamento de minerais, os números são surpreendentes. A China pode não produzir grandes quantidades de cobalto ou níquel, mas é responsável por cerca de 65% do cobalto e 35% do processamento de níquel do mundo. Embora a China produza 11% do lítio do mundo, ela é responsável por quase 60% do lítio processado. No entanto, quando se trata de elementos de terras raras, a China é surpreendentemente dominante. Ela não apenas fornece 60% das matérias-primas do mundo, mas também quase 90% dos elementos de terras raras processados.

Em termos simples, não há como os EUA ou outros países realizarem uma transição maciça dos combustíveis fósseis para uma economia de energia renovável sem se envolverem economicamente com a China. Sem dúvida, serão feitos esforços para reduzir o grau dessa dependência, mas não há perspectiva realista em um futuro próximo de eliminar a dependência da China com respeito a terras raras, lítio e outros materiais importantes. Em outras palavras, se os EUA passarem de uma postura levemente semelhante à da Guerra Fria em relação a Pequim para uma postura ainda mais hostil, e se fizerem novas tentativas semelhantes às de Trump para “dissociar” sua economia da República Popular, conforme defendido no Congresso por muitos “falcões da China”, não há dúvida: o governo Biden teria que abandonar seus planos para um futuro de energia verde.

É possível, é claro, imaginar um futuro em que as nações comecem a brigar pelas reservas mundiais de minerais essenciais, assim como já brigaram pelo petróleo. Ao mesmo tempo, é perfeitamente possível imaginar um mundo em que países como o nosso (EUA) simplesmente abandonem seus planos para um futuro de energia verde por falta de matérias-primas adequadas e voltem às guerras do petróleo do passado. Mas com um planeta já superaquecido, isso levaria a um destino civilizatório pior do que a morte.

Na realidade, Washington e Pequim têm pouca escolha a não ser trabalhar em conjunto e com muitos outros países para acelerar a transição para a energia verde, criando novas minas e instalações de processamento para minerais essenciais, desenvolvendo substitutos para materiais em falta, aprimorando as técnicas de mineração para reduzir os riscos ambientais e aumentando drasticamente a reciclagem de minerais vitais de baterias e outros produtos descartados. Qualquer alternativa é garantida como um desastre de primeira ordem – ou mais. (Contribuição de TomDispatch, 21 de maio de 2021)

Michael T. Klare leciona no Hampshire Colledge (Massachusetts) e escreve para o The Nation sobre “guerra e paz”.