Categories
ComoFazer Compostagem

Madeira ramial triturada

Foi num vídeo do Rebello, do CEPEAS, que ouvi pela primeira vez sobre estudos científicos de melhoria do solo usando galhos novos triturados. Aí então, comecei eu mesmo a pesquisar essa técnica nas minhas composteiras.

Depois, descobri o método do francês Jean Pain, cujo mini-documentário incrível está num link abaixo e seu livro, neste PDF. O cara não só desenvolveu um método de compostagem que gera adubo, gás e calor para ser usado em sua casa, como construiu uma série de trituradores para picar as árvores.

Ainda estou procurando o artigo científico de Gilles Lemieux, citado pelo Rebello no vídeo acima. Enquanto isso, publico abaixo um textinho resumindo a questão.

Tradução do artigo Ramial Chipped Wood: A complete introduction.


Publicado em 29 de setembro de 2022, por Huw Richards.

Ramial Chipped Wood: A Complete Introduction

Uma explicação concisa

A Madeira Ramial Triturada (MRT) é utilizada para melhorar o solo nas plantações e nos jardins. Ela é obtida de galhos menores e mais jovens, tipicamente de até 7cm de diâmetro, que são recém colhidos de cercas vivas, arbustos para poda ou podas anuais. A técnica tem como precursor o canadense Gilles Lemieux, que resumiu a abordagem como “imitar o solo florestal num solo agrícola, só que sem as árvores”.

Madeira ramial triturada com atividade fúngica

Nos ramos jovens é onde acontece o crescimento mais vigoroso de uma árvore, o que significa que eles são muito mais ricos nutricionalmente do que a madeira mais velha, mais espessa, e são mais facilmente digeríveis por organismos benéficos no solo. Eles normalmente contêm até 75% dos minerais, açúcares, amidos, aminoácidos, proteínas, fito hormônios e enzimas de uma árvore. A maioria das espécies de árvores pode ser utilizada para isso. Deve-se dar preferência para as árvores decíduas, mas até 20% do material de coníferas, eucaliptos ou castanheiros podem ser adicionados antes que seus aspectos ácidos ou alelopáticos (inibidores de crescimento) se tornem um problema. Para evitar a propagação de doenças, descarte o material das árvores infectadas.

Uma vez triturado, temos mais superfície do material exposta a fungos e outros microorganismos. Em seguida, ele é decomposto e pode ser incorporado ou colocado sobre o solo. Descobriu-se que essa técncica tem inúmeros benefícios para o rendimento e a qualidade das culturas, melhorando a estrutura do solo e a retenção de água, aumentando o número de microorganismos benéficos, fornecendo proteção contra geadas e reduzindo ervas daninhas, e ajudando a neutralizar os solos ácidos.

Aplicações comuns

A MRT pode ser incorporada ao solo, aplicado diretamente na superfície como uma cobertura morta, ou pode ser compostado primeiro antes da aplicação. Entretanto, Iain Tolhurst, da Tolhurst Organic no Reino Unido, descobriu através nas suas pesquisas que não houve nenhum benefício em compostar primeiro a MRT – e ela funcionou muito bem quando aplicada diretamente como cobertura.

Outra aplicação seria usá-la em caminhos para aumentar a vida útil do solo e permitir que as raízes das plantas se tirem proveito disso; neste caso, morangos.

A época ideal para incorporar a MRT é no outono e no inverno. Isto permite tempo suficiente para que o material se decomponha, o que reduz temporariamente o conteúdo de nitrogênio no solo. Os níveis de nitrogênio voltarão então no tempo para o plantio das culturas na primavera. Se usado como cobertura morta ou o material for compostado primeiro, ele pode ser aplicado em qualquer época do ano. Uma boa opção é a cobertura morta entre os canteiros, trazendo benefícios para a flora e fauna do solo sem a diminuição do nitrogênio a curto prazo em sua área de cultivo. Uma vez decomposta, ela pode então ser adicionada aos canteiros (ou como diz Ian Tollhurst, “deixe que os vermes o façam o trabalho por você!”). O melhor é utilizar a MRT o mais rápido possível após a colheita, para se obter um valor nutricional ideal.

Estudos de caso

Depois de ler sobre os resultados espetaculares de Jean Pain usando madeira ramial triturada em sua horta – mesmo em uma área onde a chuva é muito rara e onde a temperatura muitas vezes excede 40 °C no verão – a bióloga Edith Smeesters decidiu, há quarenta anos, usar a abordagem em sua nova horta, com enorme sucesso. A horta, construída sobre o que era essencialmente um aterro sanitário, tornou-se exuberante e produtiva em menos de dois anos e ela continua usando MRT até hoje.

Um estudo realizado no Senegal constatou que o uso de madeira ramial triturada resultou em um aumento de rendimento de até 1000% para o tomate e um estudo no Quebec constatou um aumento de rendimento de 300% para os morangos.

Quando e o que triturar

A MRT é melhor coletada no outono quando o material está cheio dos nutrientes que está armazenando para o inverno. A maioria dos tipos de árvores é adequada, com as exceções mencionadas acima, mas as seguintes são particularmente recomendadas. Uma mistura de espécies é ideal para a MRT, pois todas elas terão benefícios particulares.

Árvores pioneiras – estas são as espécies que retornam primeiro a áreas degradadas ou desmatadas em sua localidade. Elas são uma boa escolha, pois são particularmente adaptadas para melhorar a saúde e a densidade de nutrientes dos solos.

Freixos – árvores altas e graciosas, membros da família das oliveiras e lilases. Devido a sua força e densidade, eram tradicionalmente usada para fazer as hastes das lanças e muitas ferramentas. Elas também dão seu nome, em galês, ao nosso sítio experimental de jardinagem regenerativa Dan Yr Onnen, ou seja, debaixo do freixo. Se você tem um freixo com sintomas de die-back, você deve seguir as recomendações de descarte para sua área.

Carvalhos – favorito dos carpinteiros por sua durabilidade e trabalhabilidade. Existem duas espécies encontradas no Reino Unido, o Carvalho Comum (ou inglês) e o Carvalho Sésseis, que tem um tronco mais reto e ramos mais retos. As bolotas (seus frutos) sustentam a vida selvagem e com a preparação correta, os humanos também!

Salgueiros – são de crescimento rápido, muito fácil de propagar, fazendo a espécie perfeita para poda regular. Além de ser um excelente constituinte para a madeira ramial triturada, também tem sido usada tradicionalmente para tecer cestas e fazer a armação da canoa coracle galês. O salgueiro tem uma relação mutualista com pelo menos 21 espécies de fungos, o que a torna um ingrediente ideal em uma mistura de MRT.

Aveleiras – uma das árvores mais úteis devido aos seus caules flexíveis, e deliciosas nozes – amadas tanto por pessoas como por esquilos. Quando cortada, uma aveleira pode viver por várias centenas de anos.

Plátanos – o plátano (sycamore maple) é a espécie de ácer mais comum na Europa, enquanto o ácer de campo (field maple) é nativo do Reino Unido. Suas folhas largas e robustas auxiliam a vida selvagem, além de serem ótimas para combater a poluição do ar.

Fazendo sua própria madeira ramial triturada

Como guia, um jardim de 100m2 exigiria cerca de 3m3 de MRT. Para as quantidades necessárias para um jardim, é melhor usar um triturador. Usamos o Forestmaster 14 HP Professional, que é perfeito para jardins comunitários e locais maiores. O Forestmaster 6HP Compact é mais adequado para jardins individuais e menores. O modelo Professional vai triturar madeira de até 100mm de diâmetro (4″) e é capaz de triturar qualquer madeira recém cortada, seja dura ou macia. O modelo Compacto tritura até 50mm (2 polegadas) de diâmetro e seu peso leve e tamanho compacto o tornam extremamente manobrável e fácil de guardar. Há também um triturador elétrico de 4HP que funciona fora da rede doméstica padrão e é bem adequado para os galhos menores usados para MRT.

Impressões pessoais do autor deste artigo

Acredito que a madeira ramial triturada é um recurso inexplorado dentro do mundo da horticultura e que possui um potencial fascinante que precisa ser pesquisado mais a fundo. É por isso que a MRT vai desempenhar um papel fundamental em meu plantios, especialmente em nossos locais de experimentação, com a esperança de mostrar resultados concretos.

No futuro, posso imaginar comunidades com seus próprios bosques de poda de curta rotação e um triturador compartilhado e colher a madeira adequada para fazer este recurso em escala e dar um grande passo para ser mais resiliente em termos de produzir sua própria fertilidade e composto.